Salette/SP realiza a Procissão de da Sexta-Feira 2017.

Salette/SP realiza a Procissão de da Sexta-Feira 2017.

Por : Oswaldo dos Santos Araujo
A Procissão da Sexta Feira Santa é uma tradição  do Santuário da Salette que foi retomada pelo falecido D. Pedro Sbalchiero Neto quando era pároco e que começou a fazer as encenações das estações da via sacra durante a procissão. E nesta sexta-feira após 10 anos de seu falecimento não foi diferente, comandada pelo reitor do Santuário Pe. Marcos Almeida, Pe Luciano Batista e Diac. Márcio Cesena a procissão seguiu pelas primeiras 14 estações da via sacra nas ruas do Jd São Paulo e foi seguida por cerca de 1200 pessoas. Os ministérios de música Canaã junto com parte do Renova Me acompanharam a procissão num carro de trio elétrico e com o apoio da CET. 
 
A primeiro quado Jesus é condenado à morte com jovens do crisma criando um quadro vivo da cena, a segunda com Jesus carrega a cruz às costas e terceira com a queda de Jesus ainda na descida da Rua Outeiro da Cruz, na procissão é levada uma imagem do Senhor Morto e uma grande imagem de Nossa Senhora das Dores que vão chegando até cada um das paradas da procissão, que são encenadas cada um com um grupo de pastoral e com as suas características, depois tem ainda mesma rua a terceira estação na qual é encenada quando Jesus cai pela primeira vez e na próxima quando Jesus encontra a sua Mãe e na quinta quando Simão Cirineu ajuda a Jesus .
 
Na sexta estação temos o canto de Verônica na qual Verônica limpa a face de Jesus, onde temos a encenação de Verônica enxugando o rosto de Jesus junto com seu canto lamurioso. Na sétima estação temos o quadro vivo quando Jesus cai pela segunda vez e na oitava onde Jesus encontra as mulheres de Jerusalém . 
 
Na nona é encenada na pracinha da feira, como a conhecemos, Jesus sendo açoitado pelo caminho quando Jesus cai pela terceira vez .
 
Durante toda a procissão são realizadas orações e intenções segundo o tema da Campanha da Fraternidade de 2017 : “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida” e o lema “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2.15).
 
Na décima estação temos o quadro vivo onde Jesus é despojado de suas vestes  e na décima primeira quando Jesus é pregado na cruz e a última estação nas ruas que é décima terceira quando Jesus morre na cruz, na décima os jovens fizeram dois quadros, quando Jesus desce da cruz, uma com Jesus caracterizado como um israelita nos braços de sua mãe e outra com um índio morto nos bracos de sua mãe. 
 
A décima quarta estação onde Jesus é sepultado é feita com uma encenação dentro da Igreja que mistura a Mensagem de Nossa Senhora da Salette falando sobre a escassez de batatinhas com a escassez de água, e que se não cuidássemos da água não mais a teríamos e outros temas dos biomas brasileiros, que também mostrou a Revista Salette e lembrou do apelo da CF para cuidar dos biomas brasileiros conforme sugere a CF2017. O momento da encenação do sepultamento de Jesus e da música do Martin Valverde "Ninguém te ama como eu" interpretada pelo Cântico Novo fez muitas pessoas se emocionarem no Santuário.
 
O Pe Marcos destacou que a CF2017 e as encenações e mesmo lembranças da CF2017 eram muito importantes e muito oportunas, mas não tiram o brilho e a importância do acontecimento e da celebração maior que é o sacrifício de Jesus e sua ressurreição. 
 
A décima quinta estação não foi encenada na sexta neste ano. Ainda no sábado às 20h00 haverá a celebração da Luz que é a celebração da Ressurreição de Jesus.

Galerias de fotos